Regulamentos

Regulamento para Torneios de Fibra

Brusque Amantes do Coleiro

 ARTIGO 1° – FINALIDADE 

1.1 – O presente Regulamento tem por finalidade estabelecer as normas e a rotina dos Torneios de Fibra de Canário da Terra (Sicalis flaveola brasiliensis), Coleiro (Sporophila caerulenses e S. nigricollis), Curió (Oryzoborus angolensis), Trinca Ferro (Saltator similis) Azulão (Passerina cyanoides e brissonii), e Bico de Pimenta (Pitylus Fuliginosus) e outros tantos que constarem na normativa vigente.

1.2 – As normas e a rotina deste Regulamento serão aplicadas a todos os Torneios organizados pela BAC

 

ARTIGO 2° – PREPARAÇÃO

2.1 – Locais dos Torneios – Os Torneios só poderão ser realizados em recintos cobertos, protegidos do sol, da chuva e do vento, em ambiente claro, arejado e seguro;

2.2 – Horário – Os Torneios de fibra serão iniciados às 08h30min h, horário de Brasília – DF, com os pássaros nas estacas. O local de realização das provas de fibra deverá estar aberto aos expositores a partir das 07h00min;

2.3 – Inscrição – A inscrição será feita mediante a apresentação da relação atualizada dos pássaros emitida pelo SISPASS/IBAMA, Atestado Veterinário, GTA e a carteirinha de sócio se for, podendo o criador ser filiado a qualquer  Clube ou Associação de criadores de Pássaros Nativos do território Nacional, contanto que comprove a devida contribuição anual; essa comprovação poderá ser feita de 2 (duas) formas: Selo na carteirinha, recibo de quitação anual, em seguida será entregue a cartela devidamente visada pelo mesário da BAC; exigência de afixação de placa na gaiola tanto do macho quanto da fêmea, por parte dos expositores dos pássaros, com a informação mínima dos seguintes dados: apelido do pássaro, nº do anel, inscrição CTF no IBAMA e nome do proprietário. De acordo com a IN 10 do IBAMA.

 

2.4 – Pássaro de outrem – O expositor que apresentar pássaro que não seja de sua responsabilidade, deverá apresentar a licença de transporte emitida pelo SISPASS/IBAMA em nome do apresentador, além da relação oficial e atualizada de passeriformes do responsável pelo pássaro e a carteirinha de sócio devidamente em dia.

Caso algum expositor regular apresente pássaro de outrem que esteja em situação irregular (impossibilitado de expor seus pássaros) com o intuito de burlar as normativas e este regulamento, os envolvidos serão:

-Será feita uma advertência verbal e por carta, e perda dos pontos da etapa em disputa;

-A reincidência o infrator será excluído das atividades(torneios por um período de três meses)

-Se persistir na infração o infrator será excluído do quadro de associados da BAC definitivamente.

2.5 – Estacas – As estacas deverão ser de metal e devidamente numeradas  e terão seu torno (gancho) com a altura mínima de 1,40 m e máxima de 1,60m do chão e um pequeno (gancho) do piso onde serão colocadas as fichas ou cartelas de identificação;

2.5.1 – Disposição – As estacas serão dispostas em forma de ferradura  ou outra forma que seja oportuna, com espaço de 20 cm entre as gaiolas;

2.5.2 – Deverá Haver – A disposição do Chefe-de-Roda, um gabarito com a medida de 70 cm entre o vão das estacas, exceto na modalidade Pimentão que terá a distância de 120 cm, que será aplicado no momento da arrumação da roda, entre as estacas. Essa distância terá que ser observada;

2.6 – Cartelas – As cartelas deverão ser vendidas no dia do torneio, a partir das 07:30, mediante a sorteio da numeração da estaca aleatório e devem ser numeradas em conformidade com a numeração. Após preenchidos, obrigatoriamente, todos os campos da cartela o expositor estará habilitado a encaminhar o seu Pássaro para estaca sem a capa em sua gaiola.

2.6.1 – Cabeçalho da Cartela – O cabeçalho deverá ser preenchido pelo proprietário e carimbado por fiscais pré definida pela BAC e constar, de forma legível, o nome completo do expositor, clube/sociedade a que estiver filiado, o nome (apelido) do pássaro, número do anel do pássaro, número do CPF  e assinatura do Criador e demais caracteres nele constantes;

2.7 – Roda Interna – A roda será formada  em modelo ferradura; cfe. Necessidade do evento

2.7.1 – Roda – Não se poderá mexer ou alterar a disposição das gaiolas da roda, após iniciada a marcação classificatória.

2.8 – Padrão das Gaiolas – As gaiolas serão padronizadas, admitindo-se pequenas variações até que se consiga com o passar do tempo um parâmetro definitivo.

2.8.1 – Ressalva – Seja feita quanto ao tamanho das gaiolas, pois existem vários tamanhos oficiais que são adotados conforme as regiões do País, sendo assim, consideram normais e aceitáveis as diferenças mínimas existentes, e estão vetadas a participar do torneio gaiolas tipo voadeiras e ou fora dos padrões citados acima;

2.9 – Banheira –  Será permitida, para todos os pássaros, gaiola com somente uma única banheira, mesmo que vazia. Obrigatoriamente todas as banheiras deveram ser retiradas até as 9:30 horas.

A retirada das banheiras será feita pelos fiscais da roda com ou sem a presença dos proprietário do pássaro.

Não será permitido que o proprietário faça a retirada da banheira sem a presença do fiscal de roda;

 

2.10 – Poleiros – Para que o pássaro possa se movimentar com as asas, o número máximo de poleiros nas gaiolas inclusive as maritacas, será de sete(7), não contando os poleiros de cocho e/ou bebedouro que estiverem na testeira da gaiola.

2.11 – Pássaros não Inscritos – Não será permitida a entrada na roda (estaca) de pássaros que não estejam participando do evento, mesmo que seja por alguns minutos ou de sócios, para ver se o pássaro canta na roda, para isso temos disponível datas para o treinamento livre;

2.12 – Pássaro Participante – É expressamente proibido transitar ou expor, pássaros  dentro do recinto que não estejam devidamente documentados (sem ficha de participação do torneio) conforme artigo 2,3;

2.13 – Não será permitido no fundo das gaiolas areia, papel/jornal.

 

ARTIGO 3° – DOS PARTICIPANTES E DOS PRÉ-REQUISITOS 

3.1 – Pássaros Documentados – Só poderão participar dos eventos Pássaros com anéis fornecidos pelo IBAMA e Federações conforme exigências dos órgãos legisladores e fiscalizadores (IN. n°1 de 24/01/2003 – Art. 12 e IN nº 10). Pássaros com anéis INVIOLAVEIS fornecidos pelo IBAMA e Federações conforme exigências dos órgãos legisladores e fiscalizadores (IN. n°1 de 24/01/2003 – Art. 12) e normas regulamentadoras da (INSTRUÇÃO NORMATIVA No- 10, DE 19 DE SETEMBRO DE 2011);

3.2 – Expositores Sócios de Clubes – Os responsáveis pelos pássaros inscritos deverão ser associados à Sociedade, Clube ou Associação Ornitológica, ou possuir registro no IBAMA, sendo-lhes exigido, obrigatoriamente, o documento (relação atualizada e em vigor) ou documento legal do pássaro, expedido por aquele órgão e a Carteira de Sócio de qualquer Clube/Sociedade ou Associação Ornitofílica oficial existente no Brasil, sendo obrigatória a apresentação do comprovante de quitação anual (Selo, Recibo ou declaração expedida e devidamente assinada pelo responsável legal do clube ou associação).

3.3 – Todo – Aquele criador ou mantenedor que não comprovar vínculo associativo (Associação ou IBAMA), não poderá participar dos eventos promovidos pela BAC. Esta medida visa o maior fortalecimento das instituições e tem o caráter de tornar o cidadão  mais participativo, junto a elas.

 

3.4  –  Todo – Aquele que desejar encaminhar o seu pássaro em nome de outra pessoa, deverá observar os seguintes requisitos: Inicialmente fazer uma guia de transporte em nome da pessoa que estará trazendo o(s) Pássaro(s), juntar este documento com a relação de passeriformes atualizada e a carteirinha de sócio, com a comprovação da quitação anual.

3.5 – Responsabilidade do Clube Promotor – Cada Entidade (clube, associação, sociedade ornitofílica) será responsável perante o IBAMA naquilo que lhe for exigido, dentro das disposições legais e normativas vigentes;

3.6 – Pássaros Mestiços – Só será permitida a participação nos torneios Trinca Ferro verdadeiro( saltador similis);

Pássaros Híbridos - Não será permitida a participação de pássaros híbridos (cruzamento entre espécies diferentes).

3.7 – Idade dos Pássaros – Só poderão concorrer pássaros adultos e virados com sua cor de penas definitiva.

3.8 – Pássaros que não poderão ser inscritos:

a) Na roda de Canário da Terra – Não será permitido a participação de canário da terra mutação desde que o pássaro não tenha a marcação de cravo (coloração vermelha) no topo da cabeça e pássaros pardos.

b) Na roda de Trinca – Tempera Viola, Tiruli, Garganta Vermelha, Batuqueiro, Sabia Congá, Trinca Ferro Pantaneiro,   .

c) Pássaros Híbridos - Não será permitida a participação de pássaros híbridos (cruzamento entre espécies diferentes).

d) Não será permitida – A participação de pássaros totalmente cegos, para isso deverá ser feita uma checagem do veterinário (teste) antes da inscrição ou a qualquer momento durante o evento, com a presença de dois fiscais de roda.

Obs.: Em caso de dúvida sobre a inscrição de pássaros que infrinjam os itens A, B, C e D será decidida por uma comissão assim composta: Dois Chefes de Roda, Diretor de canto da BAC, e no caso de algum impasse o Presidente da Entidade Promotora que estiver presente. Tratando especificamente sobre o item C o responsável pelo pássaro poderá apresentar um atestado de saúde de um médico veterinário que comprove que a ave estará apta a participar do evento (torneio) e que não caracterize maus tratos.

 

ARTIGO 4° – DA ADMINISTRAÇÃO DO TORNEIO E DO PESSOAL RESPONSÁVEL 

4.1 -  Determina-se que – O Chefe de Roda nomeado, escolherá qual será a ordem hierárquica entre si; aquele que for escolhido 1° Chefe, comandará as rodas, o 2° será sempre o seu auxiliar e assumirá a responsabilidade imediatamente quando faltar o primeiro e assim sucessivamente;

4.2 – Cada Roda Deverá – Ter a presença de um Chefe e dois ou mais fiscais que atuarão como coadjuvantes. Caso não haja comparecimento de todos os Chefes de Roda oficializados, serão designados, na oportunidade, pelo Diretor de Fibra da Modalidade/Representante da BAC, três auxiliares escolhidos entre expositores de sabida competência, probidade e conhecimento das espécies em disputa.

4.3 – Cada Diretor – Chefe de Roda e Fiscal, deverá portar um crachá ou colete/camisa de identificação fornecido pelo organizador;

4.4 – Em dia de Evento – Caberá ao responsável, no caso da falta de integrantes solicitação de membros da diretoria para a perfeita manutenção do evento.

 

ARTIGO 5° – ATRIBUIÇÕES 

5.1 – Incumbe ao Presidente, seus Diretores e Fiscais: 

5.1.1 – Cabe o Direito da BAC: Como promotora do evento e responsável pelos atos ali decorrentes, a qualquer momento, sem que haja aviso prévio, fazer a verificação da autenticidade dos dados descritos e que foram relatados como verdadeiros pelo Criador ou Responsável no momento do preenchimento da ficha de inscrição do Pássaro, sendo que esta abordagem poderá ser feita de forma total ou parcial. Para isso a BAC se resguarda como entidade sabedora e cumpridora do que rege a  Normativa vigente. Esta medida serve como fortalecimento e engrandecimento da causa dos justos.

5.1.2 – Providenciar: Para que todos os envolvidos na administração do torneio tenham alimentação (um café/refrigerante e um salgado) e duas inscrições gratuitas à disposição e todo o material necessário ao bom andamento do evento

5.1.3 – Supervisionar: De maneira geral para o bom andamento de todo o Torneio, proibindo a entrada de pessoas com adornos tais como:

- Óculos Escuros, Boné/Toca/Chapéu ou similares, Sem camisa, Fumando, Portando qualquer tipo de utensílio tais como, copos, latinhas, garrafas e similares, usar eletros eletrônicos tais tipos celulares, gravadores e similares com gravações de cantos, piados e chama;

5.1.4 – Comunicar Oficialmente: O IBAMA e a Polícia Florestal, em suas sedes mais próximas, com antecedência da realização do torneio, para que compareçam e fiscalizem os procedimentos adotados.

5.1.5 – É obrigatória a Afixação: De uma cópia deste Regulamento em lugar visível e de fácil acesso, para que todos dele conheçam e não venham alegar ignorância;

5.2 – Incumbe aos Chefes de Roda:

5.2.1 – Cumprir: Fazer cumprir as normas deste Regulamento, observando atentamente o desenrolar do torneio, usando sempre o melhor critério, para que impere a isenção de ânimo e a justiça;

5.2.2 – Processar: Retirada de pássaro que não esteja de acordo com o presente Regulamento. Especial atenção no que se refere a pássaros que não detenham fenótipo para a respectiva espécie em disputa;

5.2.3 – Eliminar: Retirar da roda qualquer pássaro que estiver sem “fogo” ou totalmente parado por cerca de 2 minutos sem cantar, reiteradamente, esteja “piando frio” ou “chamando fêmea” por dez (10) vezes consecutivas, sem cantar em seguida, está a partir do torneio de verão;

5.2.4 – Efetuar a Substituição: De algum membro do corpo de marcadores, se necessário;

5.2.5 – Identificar os Marcadores: De modo que nenhum pássaro fique sem ser marcado, lembrando que só será permitida a presença na roda o marcador que ter a idade superior ou igual a 18 (dezoito) anos de idade.

5.2.6 – Dar, de viva voz: O início e o término das marcações, controlando o tempo rigorosamente;

5.2.7 – Organizar: A roda com o máximo zelo e cuidado, dispondo as estacas com habilidade e rapidez;

5.2.8 – Deve-se ter o Cuidado: De não se colocar as mãos à frente do poleiro do pássaro e sim acima da gaiola e outra na estaca;

5.2.9 – Fiscalizar: Modelo e o tamanho de cada gaiola, não admitindo aquelas que fujam aos padrões estabelecidos no regulamento, ajustando sempre a altura das copas das gaiolas que terão que ficar no mesmo nível de altura do chão;

5.2.10 – Fazer Retirar do Ambiente: Da roda os pássaros já eliminados ou desclassificados e quaisquer outras gaiolas estranhas, em especial, as das fêmeas, mesmo encapadas, evitando que os competidores sejam prejudicados ou estimulados, isto sempre com a maior educação e respeito;

5.2.11 – Cuidar – Para que seja respeitada rigorosamente a mesma disposição das gaiolas do início do torneio, mantendo-se a mesma distância de 70 cm, entre os vãos das estacas exceto da modalidade Pimentão que será de 120 cm após a retirada de gaiolas de pássaros eliminados ou desclassificados;

5.2.12 – Levar ao Presidente da BAC: Todos os fatos relevantes e que tenham ou possam vir a ter alguma influência negativa para o bom desempenho do torneio.

a) Nenhum Pássaro poderá ser Retirado da Roda: Sem a autorização prévia do Chefe de Roda, sob pena de desclassificação de todos os demais pássaros deste expositor, se houver;

b) No caso de eliminação, ou retirada de pássaros classificados para a final, não se poderá incluir outros que não foram selecionados entre os que mais cantaram assim a final terá que ficar com menor número de participantes.

 

ARTIGO 6° – INCUMBE AOS FISCAIS

6.1 – Cumprir as determinações: Do Diretor da BAC e/ou dos Chefes de Roda;

6.2 – Manter constante: E severa vigilância sobre os marcadores, cuidando para que seja marcado exatamente aquilo que o pássaro cantar;

6.3 – Avaliar a probidade: E conhecimento dos marcadores e propor a substituição, se necessário;

6.4 – Fazer com que seja Mantida: A distância obrigatória do público e dos responsáveis do círculo da roda em 2,00 m;

Obs.: Os em especial na roda de Trinca Ferro, poderão torcer pelo seu pássaro, mantendo a distância regulamentar, sem incomodar os marcadores e os pássaros em disputa com exageros e alardes;

6.5 – Encaminhar ao Chefe da Roda: As reclamações, dos expositores que se sentirem prejudicados pelos marcadores, levando em conta o respeito que todos merecem e o direito de reclamação. O Chefe de Roda deverá comunicar o fato ao Presidente da BAC.

6.6 – Manter e Fazer com que seja Mantido: Este regulamento e em caso de desrespeito ao mesmo, comunicar ao Chefe de Roda, aos Diretores ou ao Presidente da BAC, para as providências legais;

6.7 – Comunicar ao Chefe de Roda: A existência de pássaros que estejam piando “frio”, “chamando fêmea” ou “pistando”;

6.8 – Não permitir que nenhum Pássaro: Fique totalmente sem alimento e/ou água, que deverá ter livre acesso a comida;

Obs.: No caso dos Trinca Ferros eles terão que ter obrigatoriamente em seus cochos ração granulada extrusada/peletisada, papas, sementes, fruta ou legume.

6.9 – Não permitir Qualquer ato do Expositor: Do pássaro ou de seu preposto, que esteja(m) mexendo ou tocando na gaiola fora do prazo determinado pelo regulamento e anunciado pelo Chefe de Roda ou que esteja marcando seu próprio pássaro;

6.10 – A Ação dos Fiscais: Será sempre entre par de marcadores, não mudando de posição mesmo com a troca de marcadores;

6.11 – Os Fiscais não Poderão: Alterar o número de cantos na cartela. No caso de suspeita/denúncia de alguma irregularidade deverão comunicar o fato imediatamente ao Chefe de Roda, para que, se confirmada a suspeita/denúncia, corrigir as cantadas;

 

6.12 – Compete aos Fiscais: Anulação do restante da cartela não marcada, caso não tenha sido feita pelo último marcador do pássaro;

6.13 – Nenhum fiscal Poderá: Tocar na cartela do Pássaro de sua responsabilidade e de forma alguma portá-la quando da troca de marcadores, evitando, inclusive participar da fiscalização, quando o mesmo estiver sendo marcado;

 

ARTIGO 7° – DO CANTO E SUA CONCEITUAÇÃO 

7.1 – O canto será computado nas fichas ou cartelas, por unidade, tantas vezes quantas forem emitidas a frase musical, conforme segue abaixo:

7.2 – Trinca Ferro, Coleiro, Pimentão e Azulão, terá validade para conceituação de canto, a emissão de no mínimo 2 (duas) notas. Uma nota tem a conceituação de duas silabas, ex: TUI – tu (uma silaba) i (outra silaba) que constitui um canto, Não serão computados como canto a seqüência de “quem-quem” ou “macheação” e o “purru” e nem servirão como complemento de notas para completar o canto, sendo tão-somente, o fechamento ou mudança de canto.

7.3 – Canário da Terra, será validado um canto quando houver a emissão mínima de 2(duas) notas;

7.4 – Só valerão os cantos dados pelo pássaro dentro do limite de tempo, isto é, deve o fiscal ficar atento para que não seja marcado canto após ou anteriormente ao tempo regulamentar;

 

ARTIGO 8° – CLASSIFICATÓRIO e FINAL 

8.1 – A marcação classificatória será única e será feita pelo lado de fora da roda, exceto quando não houver espaço mínimo de 2,50m entre as gaiolas e paredes ou qualquer outro obstáculo;

8.2 – Serão marcados todos os cantos emitidos pelos pássaros. Cada marcador ajuizará um (1) pássaro utilizando o local apropriado (Classificatória ou Final) portando a cartela ou ficha de identificação da ave, para anotar os cantos da mesma;

8.3 – O tempo da classificatória será de 10 min. (Dez minutos) e o da final será de 15 min. (quinze minutos), divididos em 03 tempos de cinco minutos (trinca ferro ) controlados rigorosamente pelo Chefe de Roda e auxiliado por seus fiscais, através de cronômetro.

 

8.4 – Segue abaixo o cronograma dos horários das marcações:

Fibra Coleiro: 1ª marcação 09h45min horas – 2ª marcação 10h45min horas;

Fibra Trinca Ferro: Pré Classificação – O pássaro terá que dar um canto em dois minutos, marcação será individual e feita por dois fiscais – Horário 09:00

Fibra Trinca Ferro: 1ª marcação 10h00min horas – 2ª marcação 11h15min horas

Fibra Canário da Terra: Única marcação 10h30min horas;

Fibra Pimentão: Única marcação 10h30min horas;

Fibra Azulão: Única marcação 10h30min horas;

Canto Livre Coleiro e Curió: Inicio 08:30

Obs.: Os horários acima poderão sofrer alterações caso haja necessidade de adequação ao andamento do evento.

8.5 – Somente serão premiados e pontuados os pássaros que permanecerem na roda até o término da última marcação da Final, excetuados aqueles que não cantem na respectiva marcação.

8.6 – Cabe ao Chefe de roda verificar e definir se o número de gaiolas presentes na roda e suficiente para que haja duas (2) marcações.

8.7 – O número de gaiolas que comporão a final, no caso da marcação manual, obedecerá este critério:

8.8 – Roda acima de 40 gaiolas até 100 participantes classifica-se 40;

8.9 – Roda de 101 até 120 participantes classificam-se 50;

8.10 – Roda acima de 120 participantes classifica-se 60.

8.11 – Rodas acima de 150 participantes fica a critério do chefe de roda.

 

ARTIGO 9° – DA ELIMINAÇÃO 

9.1 – Todos os pássaros de cuja gaiola tenham sido retiradas toda a comida e/ou a água, serão eliminados. Não se poderá também retirar o fundo da gaiola no ambiente da roda, não poderá ter qualquer tipo de papel no fundo das gaiolas.

9.2 – Todo expositor que não se portar com educação e fineza para com os demais companheiros, poderá ter seus pássaros eliminados pela Direção do Torneio, devendo, portanto, cada elemento presente no ambiente do torneio, manter postura compatível com a grandeza da competição e com a presença dos competidores e visitantes;

9.3 – Quando o expositor for flagrado marcando o pássaro de sua responsabilidade, este será eliminado; a mesma pena será aplicada àquele que estiver bulindo (tocando) na gaiola ou estimulando seu pássaro ou mesmo prejudicando o pássaro de qualquer outro competidor;

9.4 – O pássaro cujo expositor esteja reclamando acintosamente com o marcador, sem se dirigir aos fiscais, Chefe de Roda ou Diretor, poderá ser eliminado;

9.5 – Nas gaiolas dos Trinca-Ferros será permitida apenas a colocação de legume ou fruta, de uma só qualidade, desde que esteja dentro de um pote fixado na grade interna ou pendurado na mesma, sendo proibido pendurar nas testeiras em frente ao pássaro vizinho. Larvas (Tenébrio ou Minhoca) não poderão ser fornecidas nem secas nem vivas.

9.6 – Observado os itens e subitens anteriores, serão sempre o Chefe de Roda que darão a última palavra sobre a eliminação de pássaros que estejam competindo, no caso de um pássaro correr/arrepiar antes da marcação final não poderá deixar a roda aberta, na recomposição da roda o chefe de roda terá que dar deis (10)  minutos para início da marcação.

9.7 - Serão eliminados os pássaros: que tenham sido retiradas toda a comida e/ou a água.

9.8 - Será desclassificado o pássaro que estiver sendo incentivado por gravações como canto ou piados ou macheados de fêmeas (quem, quem) com aparelhos eletrônicos e ou celular próximo à gaiola no ambiente da roda.

9.9 - Fica proibida a gritaria no momento da marcação, tanto pelo proprietário como por outros visitantes; no caso do cometimento da infração, notadamente com objetivo de induzir o marcador, identificada à vinculação com o respectivo pássaro, após uma advertência do Chefe de Roda, ele será desclassificado pela coordenação.

 

ARTIGO 10° – APURAÇÃO 

10.1- Em caso de empate entre competidores, haverá o desempate pelo seguinte critério:

10.1.1 – Primeiro: O pássaro que mais cantou na classificatória;

10.1.2 – Segundo: O empate entre 02 ou mais pássaro será jogo da sorte (cara ou coroa);

 

ARTIGO 11° – PREMIAÇÃO 

11.1 – Serão agraciados com troféus, pela ordem, os pássaros que conseguirem ficar entre os 20 melhores colocados nos torneios  das modalidades, Fibra Trinca-Ferro e  Coleiro; nas demais categorias serão agraciados na quantidade de troféus conforme número de inscrições.

11.2 – Nada impede, todavia, que a BAC oferte troféus aos vencedores em maior ou menor quantidade do aqui acima mencionado.

 

ARTIGO 12° – DISPOSIÇÕES FINAIS 

12.1 – As  categorias FIBRACOLEIRO e TRINCA FERRO, os 20 primeiros colocados em cada torneio pontuarão em ordem inversa, ou seja, o primeiro colocado pontuará 20 pontos e o 20º colocado pontuará 1 (um) ponto.

12.2 – Em caso de empate no Campeonato, o critério de desempate será o seguinte:

12.3.1 – maior número de primeiros lugares na temporada;

12.3.2 – maior número de segundos lugares na temporada;

12.3.3 – maior número de inscrições, ou seja, aquele que mais participou da competição;

12.3.4 – O último critério é o da idade: o expositor mais velho.

12.4 – Só serão homologados os títulos para o Campeonato todos pássaros que participarem das etapas dos torneios.

12.5 – Para fins de homologação, caso não haja pássaros classificados em determinada colocação os que estão em lugares logo abaixo  não poderão ascender na respectiva tabela.

12.6 - Todo proprietário de pássaro será responsável pela segurança e proteção de seu respectivo pássaro, está a BAC,  Brusque Amantes do Coleiro  clube promotor do evento isentos de toda e qualquer responsabilidade em eventuais ocorrências de acidentes, furtos ou outros imprevistos que possam sobrevir nos ambientes de torneio.

 

12.6 – Pontuação para Temporada:

1º lugar…………………………. 20 pontos     11ºlugar………………………… 10 pontos

2º lugar…………………………. 19 pontos     12ºlugar………………………… 09 pontos

3º lugar…………………………. 18 pontos     13ºlugar………………………… 08 pontos

4º lugar…………………………. 17 pontos     14ºlugar………………………… 07 pontos

5º lugar…………………………. 16 pontos     15ºlugar………………………… 06 pontos

6º lugar…………………………. 15 pontos     16ºlugar………………………… 05 pontos

7º lugar…………………………. 14 pontos     17ºlugar………………………… 04 pontos

8º lugar…………………………. 13 pontos     18ºlugar………………………… 03 pontos

9º lugar…………………………. 12 pontos     19ºlugar………………………… 02 pontos

10ºlugar………………………… 11 pontos     20ºlugar………………………… 01 pontos

 

12.6.1 – Nenhum pássaro poderá ficar no ambiente da roda de espécies que não seja a sua. Ex.: Canário da Terra junto aos coleiro ou vice-versa;

12.6.2 – O acesso ao interior da roda só será permitido aos Diretores da BAC, Chefe de Roda veterinário e Marcadores ou atendendo convite de um dos acima indicados;

12.6.3 – Todos os criadores/competidores presentes deverão estar atentos e proteger os seus pássaros para que não sejam assustados, não deixando que se aproximem das gaiolas, crianças, pessoas portando chapéus, bonés ou similares, guarda-chuva, animais e outros;

12.6.4 – As pessoas, especialmente crianças, futuro deste País e potencialmente novos criadores e defensores do meio ambiente, devem merecer a melhor das atenções e tratamento por parte dos administradores, competidores e colaboradores dos torneios, orientação com educação para não prejudicar o torneio;

12.6.5 – Fica terminantemente proibida a presença de pessoas embriagadas, mesmo sendo criadores/competidores, e no ambiente próximo à roda, e se o mesmo, depois de advertido pela autoridade em serviço na Roda, não atender a proibição, terá seu pássaro desclassificado e punido.

12.6.6 – Todo expositor de pássaro será responsável pela segurança e proteção de seu respectivo pássaro, a BAC como promotora do evento não será responsabilizada em caso de eventuais ocorrências de acidentes, furtos ou outros imprevistos que possam sobrevir nos ambientes de torneio.

12.6.7 – O criador que solicitar a diretoria uma nova modalidade de fibra automaticamente ficará responsável pela organização e organização da própria.

 

ARTIGO 13° – CASOS OMISSOS

13.1 – Os impasses serão resolvidos pela Diretoria Administrativa da BAC, quando for o caso de não puder ser resolvido no momento do evento.